Início Curiosidades Cavalo de quase uma tonelada vira ‘xodó’ em fazenda no interior de...

Cavalo de quase uma tonelada vira ‘xodó’ em fazenda no interior de SP

Com um jeito dócil e o tamanho acima da média, o cavalo Ubaid virou o “xodó” em uma fazenda de reprodução animal, que fica às margens da rodovia Gladys Bernardes Minhonto (SP-129), em Itapetininga (SP). Pesando quase uma tonelada e com 1,73 metro de cernelha, que é altura das patas dianteiras até o fim do pescoço, Ubaid contraria o senso comum e atrai o carinho dos funcionários e até olhares curiosos de visitantes que vão até o local apenas para conhecê-lo.
3“Todo mundo vem para tirar foto com o Ubaid. Ele já até participou de ensaios de aniversário de 15 anos e de casamentos. Além disso, já participou de matéria de televisão. Ele está virando praticamente um modelo fazendo poses para a câmera”, brinca a veterinária do local e tratadora do animal, Marília Pastorello.
Marília explica que o tamanho desproporcional em comparação com raças mais comuns do Brasil deve-se à raça de Ubaid, a Percheron. Segundo ela, enquanto raças bastante difundidas no país, como a quarto-de-milha, tem cavalos de 400 a 600 quilos e média de 1,50 metro de cernelha, a raça Percheron pode pesar de 700 quilos a acima 1 tonelada e medir até 1,90 metro. Ubaid, por exemplo, pesa 890 quilos.
Eles são cavalos antigos. A origem remete ao século 8 na região de Normandia, na Europa. Pelo tamanho e força, a raça era usada para tração de máquinas agrícolas e também para tração de veículos pesados. Nas guerras, séculos depois, esses animais foram usados para transportar canhões”, explica.

Ubaid come diariamente 14 quilos de comida,
Ubaid come diariamente 14 quilos de comida,

Atualmente, segundo a veterinária, o homem não precisa da força desses cavalos para trabalhar no campo ou guerrear. Por isso, Ubaid, que tem seis anos, leva uma vida de tranquilidade e é usado apenas para reprodução. Durante o dia, de acordo com Marília, ele fica solto no campo até que, no final da tarde, é levado à cocheira.
“Ele é usado aqui para reprodução animal. O sêmen dele é extraído para ser inserido em fêmeas de grande porte como ele. São poucos animais da raça dele no Brasil, porém não é a mais rara. Apesar do tamanho, ele não tem nenhuma deficiência. É possível cavalgar normalmente e ele consegue correr normalmente, claro que em uma velocidade menor da que a dos outros. Além disso, ele vive a mesma quantidade de tempo dos demais, cerca de 25 anos”, conta.
Ainda segundo Marília, Ubaid come diariamente 14 quilos de comida, entre ração e feno, além de 40 litros de água. Toda semana é banhado e escovado por uma “força-tarefa” que depende de pelo menos três funcionários. “Contudo, mesmo com a pelagem branca e brilhante, ele prefere ficar sujo de lama e evitar moscas”, afirma a tratadora Marília.
Uma das funcionárias que ajudam a cuidar de Ubaid é a estagiária em medicina veterinária Gabriela Peres Santos, de 23 anos. Com 1,50 de altura, Gabriela lembra da primeira vez em que ficou frente a frente com o cavalo. “Impressionou muito. Nunca tinha visto um cavalo desse tamanho, só mesmo pelos livros. Apesar de ser grande, ele é muito calmo e carinhoso”, completa.

Caio Gomes Silveira – G1 

Print Friendly, PDF & Email
Deixe seu comentário!