Início Locais Belo Horizonte e Jatobá têm maior infestação do Aedes Aegypti; ‘Dia D’...

Belo Horizonte e Jatobá têm maior infestação do Aedes Aegypti; ‘Dia D’ contra o mosquito alertou para se evitar criadouros

Nesta sexta-feira (2), ‘Dia D’ de combate ao Aedes Aegypti que transmite doenças graves e preocupantes como a dengue, zika e chicungunya, a coordenadora de Vigilância Ambiental do Município de Patos, Gorete Batista, informou em entrevista ao programa institucional ‘Respeito a Todos’ que os Bairros Belo Horizonte e Jatobá são os que apresentam os mais altos índices de infestação do mosquito.

Gorete fez um alerta à população para tomar os cuidados necessários para evitar o desenvolvimento de criadouros do Aedes dentro de casa, pois é mais fácil evitar que ele nasça do que destruí-lo com inseticidas.

Ela divulgou também uma preocupação da Vigilância Ambiental em relação ao índice de infestação neste mês de outubro que deveria estar quase zero, atingiu 3.7. Índice considerado altíssimo para essa época e isso indica, conforme Gorete, que o mosquito vem criando resistência.

Dengue“Imagine quando chegarmos ao período mais propício à proliferação, que é a época das chuvas”, questionou. Ela alertou para que tome os cuidados necessários, ou seja, lavar os recipientes com água a cada oito dias, tampar os reservatórios e acondicionar devidamente o lixo, evitando jogar detritos nas ruas, quintais e terrenos baldios. “São medidas que devem ser tomadas sempre em qualquer período do ano”.

Ela lembrou que as doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti vêm preocupando cada vez mais porque vem causando sérios prejuízos à saúde pública. A chicungunya pode acometer as vítimas e provocar sintomas durante anos e a zika que vem causando microcelafia nos bebês, quando atinge as gestantes.

‘Dia D’ contra o Aedes

O Dia D de combate ao mosquito Aedes Aegypti em Patos começou com um encontro dos profissionais de saúde na sede da 6ª Gerência Regional de Saúde, onde ocorre uma explanação sobre as preocupações mais recentes relacionadas ao mosquito, seus criadouros e doenças que transmite.

No Nordeste, 75% dos locais de reprodução do Aedes surgem devido ao armazenamento de água inadequado. Questões como inverno irregular, intermitência do abastecimento d’água e a falta de saneamento básico fazem aumentar ainda mais essa preocupação.

Após o encontro na 6ª Gerência de Saúde, os profissionais seguiram em caminhada pelas ruas da cidade até a Praça Getúlio Vargas, onde foram feitas atividades como distribuição de material educativo e a  conscientização para combater o aparecimento dos criadouros.

Participaram das atividades do Dia D de combate ao Aedes Aegypti, além de profissionais da Secretaria de Saúde de Patos, técnicos do Ministério da Saúde e da Secretaria de Saúde do Estado da Paraíba e militares do Corpo de Bombeiros.

Assessoria

Print Friendly, PDF & Email
Deixe seu comentário!