Início Locais Excesso de cães nas ruas de Patos e uma rápida reflexão sobre...

Excesso de cães nas ruas de Patos e uma rápida reflexão sobre o problema

Um leitor da Folha Patoense registrou imagens de quase uma dezena de cães deitados em frente a uma residência, na Rua Carlota César, no Jardim Queiroz, em Patos. “Eu sei que é apenas mais um registro, pois tem cachorros demais nas ruas de Patos e acho que a população está fazendo a parte dela, pois tem muita gente que alimenta esses animais. O poder público é que está deixando a desejar”, disse,

Recentemente o prefeito de Patos Dinaldo Filho (PSDB) anunciou que conseguiu a a aprovação em Brasília para a construção do Centro de Zoonoses em Patos. A perspectiva, segundo Dinaldinho, é que a construção já seja iniciada em janeiro de 2018.

Cães fotografados em frente a uma residência no Jardim Queiroz

A Associação Patoense de Proteção aos Animais (APPA) conseguiu um local em 2014, com a então prefeita Francisca Motta (PMDB), para abrigar cães encontrados na rua. O local, que fica nas proximidades do Instituto Federal da Paraíba (IFPB), na saída de Patos para São José do Bonfim, logo ficou superlotado de cães, ou seja, em pouco tempo o abrigo se revelou um paliativo, não uma solução. O espaço hoje é administrado pela Prefeitura de Patos, mas o problema da superlotação continua. Não cabe mais. E olha que estamos falando exclusivamente de cães, não de gatos, que também superlotam as ruas e cemitérios de Patos.

A situação só não é pior por conta de voluntários que se doam à causa; por conta de instituições como o Adota Patos, que faz campanhas de adoção e ajuda os animais de rua em nossa cidade,

Não é todo protetor de animais que aprova Centros de Zoonoses não. Há quem diga, e a experiência revela isso (basta pesquisar a respeito), que alguns Centros de Zoonoses pelo país afora se transformaram em verdadeiros depósitos de animais. Muitos acham mais adequados a construção de abrigos, com acompanhamento médico veterinário, com campanhas constantes de adoção e realização de castrações.

O que os protetores esperam é que os governos olhem o problema com uma visão de respeito e atenção para com os animais, não uma mera visão técnica, não o resolver do problema tirando os animais da vista de todo mundo e os amontoando em algum lugar sem os devidos cuidados e atenção.

 

Wandecy Medeiros – 99974-0076

Folha Patoense – folhapatoense@gmail.com

 

Print Friendly, PDF & Email
Deixe seu comentário!