Início Locais Marcos Antônio faz apelo para que não seja demitido do emprego na...

Marcos Antônio faz apelo para que não seja demitido do emprego na Prefeitura de Patos

Em fevereiro deste ano o popular Marcos Antônio da Silva Araújo, de 48 anos, completou três anos sem usar drogas, mas em agosto, para a tristeza da família e dos amigos, ele teve algumas recaídas e voltou a ser visto drogado nas ruas de Patos. “Tive umas recaídas, mas eu continuo lutando para não voltar aquela vida de antes”, diz ele.

Marcos vivia nas ruas de Patos, dormia nas calçadas, andava maltrapilho, e a mudança começou a acontecer quando, em 2016, após decisão da Comarca de Patos, foi internado compulsoriamente para fazer o tratamento contra o vício no Espaço Inocêncio Poggi, no Complexo Juliano Moreia, em João Pessoa.

O tratamento e os cuidados da família fizeram com que ele evoluísse no tratamento e, para ocupar o tempo e também ganhar algum dinheiro, Marcos passou a vender picolé no centro de Patos. Passou meses vendendo picolé até que em junho de 2017 conseguiu um emprego na Secretaria de Serviços Públicos de Patos.

Desde então ele está empregado na Prefeitura, mas está muito preocupado porque disse que recebeu a informação de que será demitido e, preocupado, procurou o Portal Folha Patoense para fazer um apelo ao prefeito Ivanes Lacerda. “Eu moro num quartinho que aluguei, estou evitando ter outras recaídas, preciso ocupar meu tempo, ganhar meu dinheiro e peço ao prefeito e ao secretário que pelo amor de Deus não me tirem desse emprego”, suplicou.

A reportagem ligou para o secretário de Administração da Prefeitura de Patos, Marcos Túlio. Questionado sobre a questão especifica de Marcos Antônio, ele não se referiu diretamente, mas deu a entender que todos os contratados serão demitidos, o que o incluiria também. “A Prefeitura de Patos, atendendo determinação do Tribunal de Contas do Estado, precisa exonerar os contratados no fim do ano para ficar dentro do índice prudencial e se adequar à Lei de Responsabilidade Fiscal. Só serão mantidos os casos de extrema necessidade. É uma questão de necessidade, de reduzir despesas para o pleno funcionamento da máquina”, disse ele.

Folha Patoense – folhapatoense@gmail.com

Print Friendly, PDF & Email
Deixe seu comentário!