Início Saudades Patos se despede de Dona Nevinha, que morreu aos 104 anos de...

Patos se despede de Dona Nevinha, que morreu aos 104 anos de idade

Foi sepultada na tarde de ontem (sábado, 21) no Cemitério São João Batista, no Bairro da Vitória, em Patos. a agricultora aposentada Maria Ferreira Gomes, mais conhecida como Dona Nevinha, de 104 anos. “Acabei de dar adeus à minha veinha. 104 anos fisicamente, porém sei que ela vai estar sempre comigo em todos os momentos, me protegendo“, postou a bisneta Raynara Sousa nas redes sociais.

Uma das pessoas mais velhas de Patos

Com a bisneta Raynara e a pequena tataraneta Mariana.

Morreu de causas naturais por volta das 19 horas da sexta-feira, 20/03, a agricultora aposentada Maria Ferreira Gomes, mais conhecida como Dona Nevinha, residente no bairro do Salgadinho, em Patos, próximo à Manancial Veículos, saída de Patos para Campina Grande.

Dona Nevinha tinha 104 anos. Faria 105 anos no dia 25 de junho. “Ela foi uma benção em nossas vidas e morreu tranquilinha, um anjo que foi pro céu”, disse a bisneta Raynara Souza.

Era uma das pessoas mais velhas da cidade de Patos. Nasceu no distante ano de 1915, em Caicó-RN, mas vivia em Patos desde a adolescência. Foi casada com o agricultor Manoel Belarmino Sousa, natural de Santa Luzia. “Meu marido morreu faz tempo, tô nem lembrada o ano da morte dele”, dizia ela, que teve dois filhos: Antônio de Sousa Neto (já falecido) a Maria Nilma Gomes, a Dona Nilma, de 64 anos, presidente da Associação dos Catadores de Patos.

Dona Nilma é filha adotiva. “Ela se incomodava em dizer que sou filha adotiva. Para ela filho é filho, tem esse negócio de ser adotivo não”, disse Dona Nilma.

Ela fraturou o fêmur direito há três anos e meio e há um ano e quatro meses fraturou o fêmur esquerdo, sendo cirurgiada nas duas ocasiões.

Com 104 anos, comia de tudo. “Eu como tudo que aparece, buchada, caldo de mocotó, o que vier eu como. Passei dificuldades quando era nova. Naquela época o governo não ajudava como ajuda hoje, por isso eu comi xiquexique e macambira pra não morrer de fome”, disse ela numa entrevista concedida à Folha Patoense há cerca de três anos.

Dona Nevinha era conhecida pelo bom humor, adorava cantar. Era muito brincalhona.

Folha Patoense – folhapatoense@gmail.com

Print Friendly, PDF & Email
Deixe seu comentário!