Início Locais Moradores reclamam de falta d’água em algumas localidades de Água Branca

Moradores reclamam de falta d’água em algumas localidades de Água Branca

Moradores de Água Branca, na Serra do Teixeira, estão revoltados com a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (CAGEPA) devido a falta d’água em algumas localidades do município. “Há mais de 30 dias que o centro da cidade não é abastecido. O povo esta revoltado e estamos organizando uma mobilização pública para resolver a situação. O açude que abastece a cidade está quase 100% cheio”, disse um morador.

Veja a nota do prefeito Tom na sobre a falta d’água nas torneiras:

Caros conterrâneos:

Tenho recebido inúmeras reclamações de pessoas que sofrem com a falta de água em suas residências. Com as chuvas abundante nesse ano de 2020, nosso maior reservatório, o conhecido Açude Poço comprido está prestes a sangrar, mas mesmo assim o órgão responsável não consegue fazer a água chegar nas torneiras.

Primeiro, quero apresentar minha lamentação e dizer que esse é um problema muito antigo e que igualmente a todos, também sofro com ele. Esclareço que a responsabilidade para fornecer água na zona urbana é da CAGEPA – órgão estadual. e o fornecimento de água na zona rural é responsabilidade do exército por meio da Operação Pipa.

No entanto, diante do não cumprimento integral dessa responsabilidade por parte da CAGEPA, há muito tempo já temos fornecido água na zona urbana por meio de carros pipas em vários setores a exemplo do Conjunto Colinas, Vila Gravatá e outras áreas onde a água encanada e tratada não chega.

Na zona rural, desenvolvemos diversas ações para dá suporte ao abastecimento de água: construímos açude no Sítio Carapuça, nesta mesma localidade, fizemos uma caixa d´água com capacidade para 12 mil litros; recuperamos açudes nos sítios Riacho do Meio e Muriçoca; construímos caixa d´água com capacidade de 50 mil litros para atender os sítios Carapuça e Escondido; Construímos caixa d´água no Sítio Muritiba e encanação de água para as residências em parceria com os moradores; Perfuramos poços nos Sítios Mereco e Mocó. Perfuramos poço no sítio macaco e lá também estamos construindo uma caixa d´água. Estamos concluindo uma grande caixa d´água no Povoado Lagoinha que vai melhorar a vida dos moradores do povoado e também levará água para o Sítio Marcela. Na zona urbana, construímos duas grandes caixas d´águas para servir ao matadouro e hospital municipais.

Não temos parado de trabalhar um só minuto. Mas é necessário que a população entenda que eu não posso assumir uma culpa que não é minha. Cada órgão deve assumir a responsabilidade que lhe é cabida legalmente.

Diante das diversas reclamações do mau abastecimento por parte da CAGEPA, a demanda de pessoas procurando a prefeitura aumentou vertiginosamente. Mesmo sabendo que o abastecimento de água é uma competência do órgão estadual, que inclusive é paga para isso, eu não podia cruzar os braços e apenas ficar olhando o sofrimento das pessoas.

Coloquei 3 carros pipas para fornecerem água na cidade e atender principalmente os setores mais críticos. Mais do que duplicamos a quantidade de água fornecida. Cada caminhão entregava 3 “carradas” por dia. Determinei que aumentasse para 5 “carradas” durante essa falta d’ água. Estamos entregando 150.000 litros, na semana, 750. 000 litros já que dispomos de 3 carros pipa, com capacidade para 12, 10 e 8 mil litros respectivamente. Só no mês de maio, entregamos 3.400.000 litros de água de forma complementar só na zona urbana. Já determinei que os carros pipa atendam também no final de semana para que possamos atender um número maior de pessoas.

Tenho trabalhado muito para oferecer melhores condições de vida a nossa população. Porém, é preciso o entendimento de que o abastecimento de água na zona urbana é atribuição da CAGEPA – órgão estadual. o abastecimento de água na zona rural é competência do exército por meio da operação pipa.

Com isso, não queremos nos isentar de responsabilidades, mas apenas esclarecer a realidade. Hoje, nos sobra água no açude Poço Comprido e nos falta água nas torneiras. Tudo, acreditamos, por conta do sistema de abastecimento obsoleto da CAGEPA e uma gestão estadual que não priorizou a resolução definitiva do problema existente há décadas.

Espero sinceramente, que a gestão estadual da CAGEPA reveja essa situação e faça os investimentos necessários para resolver tão grave problema. Por outro lado, comprometo-me a continuar trabalhando firme para atender os anseios do nosso povo. Vivemos um tempo de pandemia no qual o povo precisa de muita higienização e a água passou a ser ainda mais fundamental.

A água é bem precioso. Saibam! Não faltará o meu esforço e minha luta! Contem comigo!

Prefeito Tom

Veja a nota da CAGEPA:

A Cagepa, Regional das Espinharas, esclarece aos moradores de Água Branca que o desabastecimento de alguns pontos da cidade, nos últimos dias, se deve a falta de energia, que somado aos vazamentos na adutora, como também quebra da bomba causaram a interrupção no fornecimento de água da Cidade. Foi colocada uma bomba reserva, que está funcionando, mas na próxima segunda ou terça-feira, será reinstalado o outro equipamento, de forma a garantir a continuidade do funcionamento do sistema e a regularização do abastecimento da cidade.

Gerência Regional das Espinharas

Patos, 05 de junho de 2020

Folha Patoense – folhapatoense@gmail.com

Print Friendly, PDF & Email
Deixe seu comentário!