Início Gerais Após alerta de desmatamento recorde na Amazônia, governo exonera coordenadora do Inpe

Após alerta de desmatamento recorde na Amazônia, governo exonera coordenadora do Inpe

Amazônia (Imagem: reprodução/TV Globo)

O governo exonerou a coordenadora-geral de Observação da Terra do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Lubia Vinhas. A exoneração, assinada pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, foi publicada na edição desta segunda-feira (13) do “Diário Oficial da União”.

A Observação da Terra é a área do Inpe responsável, entre outras atribuições, pelo monitoramento da devastação da Amazônia, por meio do sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter).

Em conversa com a TV Globo, Lubia afirmou que é servidora concursada do Inpe há 23 anos e, por isso, deve seguir no instituto – mesmo sem o cargo de gestão. Ela também afirmou não saber o motivo da exoneração, e disse que ficou sabendo da mudança pelo Diário Oficial da União.

Já no fim da tarde, o Inpe divulgou nota em que afirma que Lubia será, na verdade, remanejada para outro cargo. Segundo o instituto, ela será “Chefe da Divisão de Projeto Estratégico, que tratará implementação da nova Base de Informações Georreferenciadas (“BIG”) do INPE, uma demanda do Ministro Pontes”.

“Esta, por sinal, é a área primária de formação e expertise da Dra. Lubia Vinhas”, diz o Inpe (veja a íntegra da nota ao fim desta reportagem).

Também em nota, o Ministério de Ciência e Tecnologia informou que a exoneração já estava prevista e que a reestruturação das diretorias do Inpe será divulgada nesta terça (14).

“A Dra. Lubia Vinhas tem participado desse processo e está de acordo com as mudanças, que eram previstas e não tem qualquer relação com a produção e a divulgação dos dados de desmatamento, que continuarão a seguir os mesmos procedimentos com qualidade e transparência”, afirma o ministério.

Na semana passada, o Inpe divulgou que junho teve o maior número de alertas de desmatamento para o mês em toda a série histórica, iniciada em 2015.

No acumulado do semestre, os alertas indicam devastação em 3.069,57 km² da Amazônia, aumento de 25% em comparação ao primeiro semestre de 2019. Só em junho, a área de alerta foi de 1.034,4 km².

Os dados servem de indicação às equipes de fiscalização sobre onde pode estar havendo crime ambiental. Os números não representam a taxa oficial de desmatamento, que é medida por outro sistema, divulgado uma vez ao ano.

Veja a matéria completa no G1.

G1

Print Friendly, PDF & Email
Deixe seu comentário!