Início Policial Em caso de criança grávida após estupro no Espírito Santo, Justiça diz...

Em caso de criança grávida após estupro no Espírito Santo, Justiça diz que ‘todas as hipóteses constitucionais e legais serão consideradas’

Criança procurou atendimento no Hospital Roberto Silvares, em São Mateus, no Espírito Santo — Foto: Frideberto Viega/ TV Gazeta

Diante da repercussão sobre a possibilidade ou não da prática de aborto no caso da criança de 10 anos que engravidou após ser estuprada, no Espírito Santo, o Tribunal de Justiça Estadual (TJES), por meio do Juízo da Infância e da Juventude da Comarca de São Mateus, disse nesta sexta-feira (14) que “todas as hipóteses constitucionais e legais para o melhor interesse da criança serão consideradas”.

Na nota publicada nas redes sociais do órgão, o TJES disse que “se pauta estritamente no rigoroso e técnico cumprimento da legislação vigente, sem influências religiosas, filosóficas, morais, ou de qualquer outro tipo que não a aplicação das normas pertinentes ao caso”.

A informação de que o caso estava sendo analisado pela Justiça foi dita pela secretária de Assistência Social de São Mateus, Marinalva Boedel, durante uma entrevista à TV Gazeta, na quarta-feira (12).

A informação repercutiu principalmente, entre coletivos e entidades da sociedade, já que, pelo Código Penal Brasileiro, de 1940, o procedimento é permitido em três casos:

  • Gravidez decorrente de um estupro
  • Risco à vida da gestante
  • Anencefalia do feto

Nos casos de gravidez decorrente de estupro, o procedimento pode ser feito até a 22ª semana de gravidez ou feto pesando até 500 gramas.

Procurado, o TJES não esclareceu o que, exatamente, está sendo analisado antes que a criança seja submetida ao aborto.

Ao G1, a defensora pública Ana Rita Prata, que atua em São Paulo, acrescentou que o aborto de gestação decorrente de violência sexual é regulamentado por uma Norma Técnica do Ministério da Saúde e não exige a apresentação de Boletim de Ocorrência e nem e autorização judicial.

“Nesses casos, o procedimento é a pessoa procurar o sistema de saúde ou hospital especializado, ser atendida por equipe técnica, passar por um médico, para que veja idade gestacional, e depois é realizado o aborto”, disse.

Segundo ela, a autorização judicial para realização de aborto em caso de violência sexual é “um procedimento em descompasso com a normativa brasileira”. A intervenção da Justiça nesses casos só deve acontecer caso a vítima, que é menor de idade, não tenha um representante legal, por exemplo.

“Se a possibilidade do aborto está sob análise, isso não é o que descreve a legislação e está equivocado. Mas, se essa criança violentada não tem uma pessoa que seja responsável legal por ela, aí precisaria de um suprimento de autorização judicial”, disse.

De acordo com a secretária de Assistência Social de São Mateus, a família da criança era atendida por uma das unidades do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) da prefeitura, era participativa e nunca deu indícios de “desestruturação”.

Coletivos se manifestam

Uma nota pública divulgada na tarde desta sexta-feira (14) pela Frente pela Legalização do Aborto do Espírito Santo (FLAES) e assinada por vários outros grupos defende a prática do aborto nesse caso.

“Essa gestação é fruto de uma violência sexual gravíssima. A saúde da menina foi violada, tanto emocional, social e fisicamente. Será, uma violação ainda maior, se a interrupção dessa gestação não acontecer”, diz o documento.

TJES

De acordo com o TJES, a criança encontra-se devidamente assistida, recebendo todo o acompanhamento médico, psicológico e social que a ocasião demanda. Ela está em uma abrigo da prefeitura.

O Tribunal de Justiça estadual disse ainda que o processo tem recebido imediato andamento e pronta atuação pelo Ministério Público.

“Informações que não correspondem com a realidade têm influenciado a opinião de toda a sociedade, mas, pelo compromisso que este Juízo tem com o sigilo que resguarda o melhor interesse da criança, inclusive imposto legalmente, não serão revelados, em que pese eventual julgamento negativo e equivocado contra o Poder Judiciário. Neste momento, o direito à privacidade da criança e de sua família revela-se absoluto. Este é o compromisso do Poder Judiciário.”, diz a nota do TJES.

Crime

O estupro chegou ao conhecimento da polícia no sábado (8), após a criança dar entrada no Hospital Roberto Silvares, em São Mateus, com sintomas de gravidez.

A menina contou que era abusada desde os seis anos de idade por um tio e que não denunciou o crime porque era ameaçada por ele.

A gravidez, de cerca de três meses, foi confirmada por um exame de sangue.

Suspeito foragido

O inquérito que investigava o caso foi concluído nesta quinta-feira (13). O suspeito já foi indiciado pelos crimes de ameaça e estupro de vulnerável, ambos praticados de forma continuada, mas ainda não foi encontrado. Um mandado de prisão preventiva contra ele foi expedido e o homem é considerado foragido.

Família

A secretária de Assistência Social de São Mateus contou que a família da criança era atendida por uma das unidades do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) da Prefeitura de São Mateus.

Os familiares, segundo ela, eram participativos nas atividades e não davam indícios de “desestruturação”

“Essa criança vivia em família extensa com os avós. Nossa equipe fazia o acompanhamento dessa família no CRAS, é uma família que participativa e era ativa nas atividades. A criança e a família nunca apresentaram algum indício desses abusos ou violações. Nossa equipe técnica ficou muito surpresa com o caso.”

A secretária afirmou ainda que a criança já foi integrada na rotina do abrigo e já está em contato com as outras crianças que vivem no local.

Deixe seu comentário
Print Friendly, PDF & Email
Comente e compartilhe!