Início Política Clima de tensão e violência toma conta do processo eleitoral em Areia...

Clima de tensão e violência toma conta do processo eleitoral em Areia de Baraúnas

Faltando 8 dias para as eleições de 15 de novembro, o clima na cidade de Areia de Baraúnas, Região Metropolitana de Patos, é bastante tenso e os moradores temem que algo pior possa acontecer até lá após os últimos fatos registrados esta semana.

Na cidade, há uma insegurança máxima quanto ao processo por parte dos moradores que vêm assistindo embates mais violentos entre os candidatos e até mesmo entre os correligionários de ambos os partidos.

As cenas grotescas vistas na última quinta-feira quando um candidato de arma de fogo em punho ameaçava seu oponente e a população, beira o tempo do coronelismo instalado no Sertão décadas atrás quando a população (eleitores) era obrigada a votar no candidato escolhido pelo senhor coronel da região.

Moradores que conversaram com a reportagem e pediram para não serem identificados, temendo até a morte, afirmam que a todo momento está difícil até declarar voto, quanto mais sair às ruas devido ao tom ameaçador implementado na cidade por meio daqueles que não aceitam a vontade do povo.

“Tem gente andando armada e ameaçando nós eleitores. Já teve tiro aqui, felizmente ninguém saiu ferido”, disse um morador.

Os cidadãos de Areia de Baraúnas estão pedindo mais segurança e apoiam a ideia de tropas federais no dia da eleição, domingo 15 de novembro.

“Não aguentamos mais isso. Queremos paz e liberdade para viver. Ninguém quer ser ameaçado por não votar em alguém que não seja de acordo com a sua consciência”, disse um agente público.

Após o incidente da quinta-feira em que o candidato Antônio Mineral (PSB) se envolveu em uma confusão com adversários políticos, a cidade ficou ainda mais sob tensão.

Em um vídeo, Mineral aparece bastante irritado e proferindo palavras grosseiras contra os rapazes, chamando-os de vagabundos e outros adjetivos pejorativos. “Eram esses dois cachorros, esses dois pilantras, esses sem vergonha, dois safados dentro do carro, passando na minha frente, passaram em alta velocidade, me trancando e freando na minha frente”, disse ele.

Em um deles, a imagem sugere que ele está com um revólver nas mãos. Ele chega a dizer: “só não atirei porque não sabia quem era.”

Em contato com a nossa reportagem, por telefone, o candidato oponente, Antônio Macedo, conhecido por Macedão (PROS), relatou que foi ameaçado por Mineral que estava armado com um revólver.

Uma foto foi feita com Antônio Mineral armado e do outro lado do carro o candidato Macedão acuado na parede.

De acordo com ele, a todo momento ele proferia palavras pejorativas e de baixo calão, sempre em tom de ameaça. “Temi pela minha vida, mas graças a Deus estou aqui para contar a história”, relatou.

Macedão disse que não é a primeira vez que sofre ameaça e que militantes adversários estão andando armados pela cidade fazendo ameaças a ele e aos seus eleitores.

Até agora Mineral não foi localizado para apresentar sua versão dos fatos e explicar as imagens que todo mundo viu.

A disputa em Areia de Baraúnas está muito acirrada e com isto, os ânimos estão frequentemente exaltados.

Várias ameaças veladas já foram feitas, inclusive com disparos de arma de fogo em via pública na intenção de amedrontar adversários políticos.

Areia de Baraúnas tem 2.106 eleitores aptos a votar, o segundo menor colégio eleitoral da Paraíba atrás apenas de São João do Brejo do Cruz, com 2.032 eleitores, e é administrada há décadas, desde a sua fundação, pelo mesmo grupo político.

As eleições 2020 mostram que a disputa entre os dois candidatos está bastante acirrada e o clima na cidade é de tensão constante.

Eleições podem contar com tropas federais em Areia de Baraúnas

Apesar do clima eleitoral não ser dos melhores, o município não está na relação das cidades paraibanas que pediram o envio de tropas federais para garantir a segurança.

Antônio Macedo confirmou que o clima é bastante tenso na cidade e revelou que seus advogados já estão preparando um pedido de envio de tropas federais para o dia da eleição na cidade. “É preciso garantir que o povo terá paz e tranquilidade necessária para votar em quem desejar. Não é possível que vivamos sob este clima que só mancha a eleição. Não é isso que o povo quer”, disse ele.

Na Paraíba, seis municípios, Alhandra, Pedras de Fogo, Fagundes, Brejo do Cruz, Queimadas e Monteiro estão com os pedidos ainda em apreciação. A requisição de força federal tem por objetivo garantir a segurança, votação e apuração das eleições.

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) as solicitações de envio de tropas federais podem chegar ao TRE-PB até seis dias antes do pleito. A resolução 21.843/2004 é que trata do pedido de reforço de tropas federais.

Para a provação ou não do pedido de tropas federais, a tramitação é feita em um prazo rápido e conforme ordem de chegada no registro do sistema. A assessora da presidência, Andreia Gouveia, do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) explicou que o pedido é analisado por um relator e apreciado pela Corte, que entendendo ser necessária o reforço militar, envia o pedido o Superior Tribunal Eleitoral (TSE) para homologação e por fim a aprovação do envio de Tropas Federais.

Vicente Conserva – Portal 40 Graus

Print Friendly, PDF & Email
Deixe seu comentário!