Início Saúde ”Devemos centralizar aquisições de vacinas no Governo Federal”, diz secretário de Saúde...

”Devemos centralizar aquisições de vacinas no Governo Federal”, diz secretário de Saúde da Paraíba sobre polêmica da fila dupla

Geraldo Medeiros (Foto: Walla Santos/ClickPB)

A aquisição de vacinas contra a Covid-19 por empresas privadas é um assunto quem gerado controvérsias nos últimos dias. A Câmara dos Deputados aprovou na última terça-feira (6), projeto de lei que pode autorizar a aquisição de vacinas pela iniciativa privada. Em entrevista ao ClickPB, o secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, afirmou ser contra a proposta.

”Em função da escassez de vacinas no mundo todo, devemos centralizar as aquisições no Governo Federal”, disse. O secretário explicou que como ainda não há vacinas suficientes para todo a população mundial, a criação de outra fila pode ser prejudicial.

”Se começar a desvirtuar e pulverizar vai faltar vacinas para o Governo Federal. A iniciativa privada tem mais agilidade na compra, por estar menos presa à burocracia, se ela passar na frente, podem faltar vacinas para o Governo Federal”, avaliou o secretário.

Embora a maior parte dos fabricantes de vacinas tenha se comprometido a negociar apenas com os governos de cada país, o secretário acredita que pode haver algum laboratório que aceite realizar vendas para a iniciativa privada.

A Justiça Federal chegou a autorizar, na última terça-feira (6), a faculdade paraibana Unifacisa a importar 15 mil doses de vacinas para a imunização gratuita de colaboradores, professores e alunos da instituição. A decisão, no entanto, foi derrubada pouco depois no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, a pedido da Advocacia-Geral da União (AGU).

“Subverter o critério de priorização indicado no PNO (Plano Nacional de Operacionalização contra a Covid-19), permitindo que um determinado segmento da sociedade se imunize antes das pessoas que integram os grupos mais vulneráveis, representa um privilégio que desconsidera os principais valores que orientam o Sistema Único de Saúde, notadamente a equidade e a universalidade”, frisou a AGU.

Bárbara Wanderley – ClickPB

Print Friendly, PDF & Email
Deixe seu comentário!