Início Economia Dólar tem maior alta em 10 meses e vai a R$ 5,251;...

Dólar tem maior alta em 10 meses e vai a R$ 5,251; Bolsa emenda 3ª queda

Compartilhe!

Após fechar a última sessão praticamente estável, o dólar comercial abriu a semana em forte alta de 2,64%, cotado a R$ 5,251 na venda. É o maior ganho percentual diário em dez meses, desde 18 de setembro de 2020, quando a moeda norte-americana subiu 2,79%.

O Ibovespa emendou hoje sua terceira queda consecutiva, a segunda de mais de 1%. Com a desvalorização de 1,24%, o principal índice da Bolsa de Valores brasileira (B3) chegou aos 124.394,57 pontos — menor patamar desde 27 de maio deste ano (124.366,57 pontos).

Os resultados ocorrem em meio ao temor com o aumento de casos da variante delta do coronavírus em todo o mundo. Hoje, a OMS (Organização Mundial de Saúde) divulgou que a variante circula em 111 países e que o número pode ser ainda maior.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Preocupação com variante delta

O desempenho do dólar e da Bolsa hoje são reflexo da preocupação do mercado com a rápida disseminação da variante delta do coronavírus, ainda mais transmissível que as anteriores. Por ora, o receio se concentra no constante aumento de novos casos de covid-19 em países asiáticos, que até então vinham controlando melhor a pandemia.

O possível impacto econômico de um novo lockdown (confinamento total) nesses locais e a perda de ímpeto nas projeções mais otimistas para os Estados Unidos têm deixado investidores nervosos, num momento em que o Fed (Federal Reserve, o Banco Central americano) ainda lida com uma inflação mais alta.

No pior dos cenários do mercado, está uma “estagflação” — baixo crescimento econômico e preços mais altos.

A narrativa de “reflação global” — aumento de preços com crescimento econômico pós-crise —, contudo, ainda é citada por vários analistas como argumento de baixa para o dólar. O banco ING inclusive vê o real como beneficiário desse cenário, junto com outras moedas pró-cíclicas, como peso mexicano, rublo russo e coroa norueguesa.

UOL

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!
Deixe seu comentário!