Início Locais Rafael da ONG Adota questiona possível castração química em massa de cães...

Rafael da ONG Adota questiona possível castração química em massa de cães machos pela Secretaria de Saúde de Patos

Compartilhe!

O secretário de Saúde de Patos, Leônidas Dias, esteve reunido, recentemente, com o veterinário Dilermano Dantas e com a diretora do Canil Municipal, Gabriele Mendes, para discutir a situação dos animais de rua. Leônidas informou que a Secretaria estuda a possibilidade de iniciar o procedimento em massa de castração química em cães machos.

De acordo com o secretário, a castração química é econômica, tem baixo risco, forma simples para procedimentos não cirúrgicos e de menos dor, evitando estresse e com menor possibilidade de hemorragia e infecções.

Por outro lado, o policial civil Rafael Gomes, diretor da ONG Adota Patos, disse que mais uma vez o município de Patos está querendo burlar uma decisão transitada em julgado, quer baratear o custo de uma castração ou ludibriar a população afirmando que vai resolver a problemática fazendo castração química.

“Esse método traz várias consequências, visto que a castração em massa nunca foi totalmente testada, num contexto como o de Patos, onde se tem além da superpopulação canina, as variantes que são as doenças e a fome que assolam os animais de rua. Agora ficamos a perguntar: se o município acha que teve uma brilhante ideia em fazer castração química de cães machos, já que é tão barato e viável, e as fêmeas? E os felinos? Será que a população canina de Patos são somente cães machos? E como e quem vai fazer o acompanhamento dos animais esterilizados? E a leishmaniose que assola a cidade? E as outras zoonoses como o verme do coração que também vem crescendo ? Enfim, é paliativo desnecessário e sem noção”, questionou Rafael.

O diretor da Adota Patos acrescentou que a questão não é somente castrar cães machos e sim viabilizar o bem estar dos animais e da população.

“Além do mais, a incompetência de quem propõe algo tão limitado se sobrepõe ao excesso de problemas que a cidade já tem, pois basta dar uma voltinha pela cidade pra perceber a olho nu a falta de compromisso com o cidadão. Por fim, somos adeptos da esterilização sim, mas de forma responsável e dentro de um parâmetro que anule quaisquer divergências ou causem maus tratos aos animais somente com a desculpa de atender o princípio da economicidade”, disse.

Rafael Gomes informou que a ONG Adota vai acompanhar toda e qualquer ação que seja direcionada para o bem estar animal, mas não vamos permitir qualquer desvio de conduta que visem somente mostrar a resolução do ponto de vista econômico e midiático. “Estamos de olho e vamos fiscalizar”, alertou.

Folha Patoense – folhapatoense@gmail.com

Deixe seu comentário
Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe!