Início Política Presidente da sigla de Bolsonaro diz ao TSE que partido acredita nas...

Presidente da sigla de Bolsonaro diz ao TSE que partido acredita nas urnas

Valdemar Costa Neto, presidente do PL (Imagem: reprodução/Twitter/PL)

O presidente do PL (Partido Liberal), Valdemar Costa Neto, se encontrou hoje com o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o ministro Edson Fachin, e declarou que o partido acredita nas urnas eletrônicas e no sistema de votação brasileiro. A fala, no entanto, diverge dos discursos de ataques às urnas, ao sistema eletrônico de votação e ao TSE feitos frequentemente pelo atual mandatário. A informação foi dada pelo jornal O Globo e confirmada pelo UOL.

Na reunião, segundo informações obtidas pelo UOL, Costa Neto informou que o PL seguirá as regras previstas pelo Tribunal nas eleições e afirmou que o partido confia no sistema eleitoral brasileiro e nas urnas. Nesta quarta-feira, Bolsonaro disse que tem vontade de voltar para o PP, que oficializou o apoio a sua candidatura à reeleição.

De acordo com o jornal, interlocutores disseram que o clima entre Fachin e Costa Neto foi amistoso na reunião, o que colaborou para a declaração do político sobre o apoio da sigla às eleições brasileiras e à Justiça Eleitoral. O vice-presidente do PL, o deputado federal Capitão Augusto (SP) também compareceu ao encontro.

O presidente do PL também apresentou os nomes da sigla que vão acompanhar a fiscalização das eleições como previsto pela Justiça Eleitoral.

Em maio, o TSE reafirmou que os partidos podem auditar as eleições brasileiras, em manifestação divulgada após o presidente ter dito em sua live semanal que seu partido iria contratar uma empresa para realizar o serviço. Segundo a assessoria do tribunal, a fiscalização das eleições pelos partidos está prevista na Lei de Eleições, de 1997.

PL desiste de contratar empresa para fiscalizar eleição

Em meio a ataques recorrentes do presidente contra a segurança das urnas eletrônicas, o PL, partido do chefe do Executivo, desistiu de dar andamento ao credenciamento do Instituto Voto Legal para auditar as eleições deste ano no TSE.

O presidente da legenda, Valdemar Costa Neto, havia credenciado a empresa para fiscalizar o processo eleitoral em nome da sigla. Caberia ao presidente da Corte Eleitoral, ministro Edson Fachin, analisar se o instituto obedecia a alguns critérios exigidos pelo tribunal para autorizar o seu nome.

No último dia 24 de junho, Valdemar oficializou a desistência em relação à empresa inicialmente escolhida. Em 1º de julho, Fachin proferiu um despacho que homologou o recuo do PL e deu ao partido a chance de uma nova indicação.

“Ante tal cenário, homologa-se o pedido de desistência e determina-se a intimação do Partido Liberal para que proceda à nova indicação de credenciamento, no presente procedimento, sendo que, em caso de silêncio da parte, ou não indicação, será determinado o arquivamento, em virtude da falta de interesse no seu prosseguimento”, determinou o ministro.

Críticas ao TSE

Em maio, Bolsonaro defendeu uma auditoria nas urnas eletrônicas antes do pleito “para melhor termos umas eleições livres de qualquer suspeita e de interesse externo, mas ela pode falar que é impossível auditar e não aceitar fazer o trabalho, olha a que ponto nós vamos chegar”.

O presidente tem feito ataques recorrentes às urnas eletrônicas e ao sistema eleitoral, incluindo críticas aos ministros do TSE. Desde que as urnas eletrônicas foram implementadas —parcialmente em 1996 e 1998, e integralmente a partir de 2000— nunca houve comprovação de fraude nas eleições brasileiras, mesmo quando os resultados foram contestados.

A segurança da votação é constatada pelo TSE, pelo MPE (Ministério Público Eleitoral) e por estudos independentes.

UOL

Print Friendly, PDF & Email
Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o portal Folha Patoense não publicará os comentários dos leitores. Voltaremos ao normal logo após o período eleitoral.