Início Gerais Quando as lembranças afloram! (texto de Anchieta Guerra)

Quando as lembranças afloram! (texto de Anchieta Guerra)

A nossa memória registra ao longo de nossa existência uma gama de episódios vivenciados, que nos marcaram por toda nossa vida. Relembramos de coisas, fatos, acontecimentos e outras passagens, que memorizamos e nunca mais esquecemos! Esses acontecimentos, tanto podem nos trazer boas lembranças, quanto, momentos que nos foram desagradáveis. Evidentemente, procuramos reviver os que nos propiciaram: alegrias, satisfação, prazer, harmonia e, tudo que for gratificante para nosso ego; nossa alma, por nos servir de um tonificador de forças, energias e alegrias, na vida! No entanto, não podemos esquecer aqueles momentos ruins que nos marcaram de forma negativa e frustrante, para que eles nos sirvam como um sinal de alerta, afim de que possamos ficar sempre vigilante com a vivência e a convivência do dia a dia.

Fiz então, uma sextilha para espelhar nas lembranças, essa dualidade de acontecimentos passados, tanto positivos quanto negativos, que nos afetaram no cotidiano.

Quando as lembranças afloram!

Filtrei do meu pensamento
Uma grande parceria
Juntei os versos e prosas
Poemas de um dia à dia
Para explanar das lembranças
Belezas e melancolias!

Busquei encontrar na outrora
Nos dias que foram marcantes
Às lembranças dos fatos vividos
No olhar que muda um semblante
Deixando recordar no passado
Toda uma saudade marcante!

Quando o passado vem vindo
A nossa memória retoma
Os momentos que fluíram à toa
Num ritmo de uma maratona
Colocando pressão no seu cérebro
Postando você numa cama!

Tendo no passado à glória
Buscar esmiuçar nossas vidas
Mostrar os momentos marcantes
Dos prazeres e também, das feridas
Filmagens gravadas em sonhos
Retratos de uma própria vida!

Das lembranças que foram afloradas
Muitos resquícios nos mostra
Os dilemas que foram vividos
Do âmbito que à vida enfoca
O teor de um próprio dilema

Que machuca e também, nos sufoca!
E assim, revivemos agora
Todo um passado marcante
Na mente trazemos às lembranças
Como vida de um andarilho errante
Que carrega nas suas memórias
Os solfejos do som do berrante!

Patos, 07/08/2022
Anchieta Guerra

Deixe seu comentário
Print Friendly, PDF & Email
Comente e compartilhe!