Início Esportes Causos & lendas do nosso futebol: Você se lembra de Toinho do...

Causos & lendas do nosso futebol: Você se lembra de Toinho do Esporte?

Ele nasceu na próspera e agradável cidade de Patos, estado da Paraíba, precisamente no dia 11 de dezembro do ano de 1942, foi por seus pais registrado com o nome de Antônio Cosme de Souza, mas para o mundo da bola ele ficou conhecido como o meio campista “Toinho do Esporte”.

O nosso homenageado morou até os 16 anos na zona rural da cidade conhecida como Morada do Sol, onde jogava com bola de meia na companhia de seus 04 irmãos; bola essa que, por ser pequena e irregular, ajudou muito a desenvolver o seu futuro domínio da bola oficial. Ao passar a residir na zona urbana de Patos, “Toinho” começou a trabalhar em uma banca de bicho e a estudar e a jogar no time do colégio Dom Fernandes. Logo o seu futebol começou a chamar a atenção, pois ele era um volante que marcava, sabia sair jogando e possuía passes refinados. O seu primeiro teste foi no Grêmio, equipe amadora que oportunizou ele a calçar chuteira pela primeira vez. Logo a diretoria do Nacional Atlético Clube tomou conhecimento de suas habilidades e o levou para defender as cores verde e branco. A sua passagem foi rápida no Canário do Sertão, onde ganhava um salário mínimo e não possuía contrato assinado. Jogando amistosamente contra o Campinense Clube, Toinhho foi o destaque da partida marcando dois gols na Raposa da Serra da Borborema. Zéu Palmeira, ex-atleta e dirigente do Esporte Clube de Patos, assistiu à partida e saiu encantado com a sua exibição, conseguindo levá-lo para o seu time pagando-lhe dois salários mínimos e com a certeza de assinatura de contrato. Daí em diante surgiu o seu amor pelo Esporte Clube de Patos.

A sua estreia com a camisa alvirrubra patoense ocorreu no ano de 1965, em um jogo festivo contra a Associação Atlética Portuguesa, a lusa carioca. Naquele ano, o Esporte Clube de Patos conseguiu uma vaga para disputar o campeonato paraibano de profissionais e Toinho foi a sensação do time, passando a ser conhecido em todo o estado da Paraíba.

Os convites começaram a surgir por parte de agremiações maiores, como o Clube Náutico Capibaribe do Recife, onde passou dois meses e não permaneceu por causa da desistência dos cartolas patoenses. Outra experiência do nosso atleta, ocorreu no Campinense Clube, onde passou meses e a transferência também não se efetivou por causa do exorbitante valor pedido pelos dirigentes do seu clube de origem. Quando esteve no rubro-negro de Campina Grande, apareceu um empresário querendo levar Toinho para jogar no futebol alemão, ele agradeceu, mas não quis aquela oportunidade de mostrar o seu futebol na terra de Franz Beckenbauer.

Retornando para o Esporte Clube de Patos, equipe que defendeu por 15 anos, Toinho continuou jogando com humildade, dedicação e muita habilidade, encantando o torcedor daquela cidade sertaneja. Durante a sua carreira, a disciplina imperou dentro das quatro linhas, nunca sendo advertido com o cartão vermelho. Um fato curioso em sua carreira, era ter que enfrentar os seus irmãos Tico e José Cosme, que defendiam as cores do Nacional Atlético Clube. A sua genitora, senhora Maria Estela, torcia pelo empate quando as duas equipes se enfrentavam com eles em campo.

Ao pendurar as suas famosas chuteiras, Toinho permaneceu prestando relevantes serviços como treinador e coordenador da base do seu querido Esporte Clube de Patos. Hoje, com 80 anos de idade, ele recorda com saudade dos tempos em que a torcida gritava o seu nome, a imprensa rasgava elogios aos seus passes e gols e as pessoas na rua o cumprimentavam com distinção e apreço.

Para nós torcedores, cronistas e desportistas paraibanos ficou a certeza de que o Sr. Antônio Cosme de Souza, o popular Toinho do Esporte, escreveu o seu nome com tintas douradas e perpétuas na brilhante história do futebol paraibano.

Por Serpa Di Lorenzo
Historiador, membro da ACEP e APBCE
falserpa@oi.com.br

Print Friendly, PDF & Email
Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o portal Folha Patoense não publicará os comentários dos leitores. Voltaremos ao normal logo após o período eleitoral.