Início Esportes Isabel Salgado, um dos ícones do vôlei brasileiro, morre aos 62 anos

Isabel Salgado, um dos ícones do vôlei brasileiro, morre aos 62 anos

Isabel vôlei Redação SPorTV — Foto: reprodução/SporTV

Isabel fez parte da seleção feminina de vôlei que abriu as portas para a modalidade, nos anos 1980, ao lado de Vera Mossa e Jaqueline. Embora não tenha ganho medalha nas Olimpíadas que disputou, em Moscou 1980 e Los Angeles 1984, aquela equipe foi a primeira da história do país a disputar grandes competições. Foi medalhista de bronze nos Jogos Pan-Americanos de 1979, em San Juan, Porto Rico. Foi, também, a primeira jogadora brasileira de vôlei a atuar numa liga estrangeira, na Itália, em 1980, no Modena, quando viajou para a Europa com sua filha Pilar, recém-nascida.

No início dos anos 1990, com a popularização do vôlei de praia, esporte viria a estrear no programa olímpico em Atlanta 1996, Isabel migrou de modalidade. Jogou diversas etapas do Circuito Mundial e brasileiro entre 1993 e 2001, inclusive com ouro na etapa de Miami, nos EUA, em 1994. Suas parceiras foram Roseli , Jerusa, Tatiana Minello e Jaqueline.

Três dos filhos de Isabel fizeram carreira vitoriosa no vôlei de praia. Pedro Solberg, que disputou as Olimpíadas da Rio 2016 e ficou em nono lugar, Maria Clara Solberg e Carol Solberg. Carol, ao lado da medalhista Bárbara Seixas, está entre as melhores do mundo atualmente. No último fim de semana, a dupla ficou com o bronze na etapa de Uberlândia do Circuito Mundial. Além deles, Isabel deixa Pilar e Alison, filho que adotou em 2015.

Jogadora oriunda das categorias de base do Flamengo, Isabel estreou pelo clube em 1973, quando tinha 13 anos. Três anos depois foi convocada para a seleção brasileira juvenil pela primeira vez, graças a titularidade que já tinha no time adulto do Flamengo. Em 1978 e 1980, foi campeã brasileira pela equipe rubro-negra.

Uma das cenas mais icônicas da carreira veio em 1982, em um torneio amistoso da seleção brasileira no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. O jogo era contra o Japão, tinha mais de 20 mil pessoas na arquibancada. O público estava sendo hostil com as nipônicas, que venciam o jogo. Isabel, então com 22 anos, pediu o microfone oficial do evento e fez um discurso forte, dizendo que se os torcedores não parassem de xingar as asiáticas, não teria mais jogo. A partida seguiu, o Brasil foi derrotado, mas o público se comportou.

GE

Deixe seu comentário
Print Friendly, PDF & Email
Comente e compartilhe!