Início A corrupção política brasileira e o desastre da economia

A corrupção política brasileira e o desastre da economia

Pelo que estamos ouvindo e assistindo através dos diversos meios de comunicação, acredito que a sociedade brasileira chegou ao limite do suportável quanto à malandragem e à corrupção políticas.

A sociedade, o povo, o cidadão brasileiro chegaram ao ápice da tolerância, porque começaram a sentir e a perceber, durante os últimos anos, que esta anomalia maligna chamada corrupção já está incomodando, destruindo, direta e indiretamente, as pessoas, principalmente quando impedem que as verbas liberadas não cheguem ao seu destino ou ultrapassam o seu valor real: o superfaturamento.

Mas o brasileiro (aqueles que são honestos, aqueles que trabalham ou aqueles os quais o impediram de trabalhar e os que, por uma razão ou outra, não podem trabalhar, mas que não deixam de ser honestos), é, por índole, assim mesmo: pacato, ingênuo, esperançoso, sempre otimista, tolerante. Liga muito pouco para as mazelas, e só se dão conta quando o prejuízo já está feito. É como diz o adágio popular: brasileiro só fecha as portas, depois de roubado. Mas, ás escondidas, os malfeitores vão agindo e se aproveitando: de dia, de noite e de madrugada. Seguem a máxima dita por um jogador de futebol quando fazia propaganda de um cigarro (não quero citar o nome dele): levar vantagem em tudo. Muitas vezes aproveitam-se da posição social em que se encontram e mandam ver com quantos paus se faz a roubalheira, diga-se de passagem, nos quatro cantos do país.

Tudo que a sociedade brasileira paga de impostos vai parar nos bolsos dos corruptos e corruptores espalhados pelo Brasil afora. Para a sociedade, nada! Embora os impostos continuem os mais altos do planeta. Pela lentidão com a qual caminhamos, percebemos que não nos resta mais nada, nos encontramos numa desgraceira profunda e interminável, porque é uma safadeza sobre a outra. Cidades consideradas ricas tornaram-se pobres em todos os sentidos. Os Estados brasileiros também se encontram na mesma situação. Uma lástima! Tudo devido a essa praga endêmica que corrói o país há vários anos, e que, agora, estamos colhendo frutos podres, resultados nefastos. Era de se esperar.

Alguém já teria dito no passado: “O brasileiro não sabe votar!” Sabe, sim! O problema é o mesmo: em campanha, o candidato relata seu plano de governo (invariavelmente, impecável) para vencer as eleições, mas quando se elege faz, justamente, o contrário do que disse. Pergunto: Quem vai adivinhar qual candidato está falando a verdade? Muitos, a maioria dos eleitores brasileiros não vota no candidato, mas na proposta do candidato. O candidato sabe disso, e, claro, promete mundos e fundos. O danado é que a gente acredita! Depois seja (não Deus), o que a ruindade quiser. Alguém de mente lúcida já tinha proposto: todo candidato tem um plano de governo, e é o quê ele prega por todos os locais por onde passa, com o microfone enfiado na boca; portanto, todo candidato (principalmente prefeitos, governadores e presidentes), deveria registar em Cartório Eleitoral e no TER o seu plano de governo; se eleito, e não cumprir o que esbravejou em seus discursos (registrados), o povo tem não só dever, mas o direito de coloca-lo pra fora, mediante plebiscito. Para nós brasileiros, só resolve se for assim.

Hoje, o cidadão brasileiro, o eleitor brasileiro parece, embora tardiamente, que está sentindo na pele e na vida os efeitos das benfeitorias prometidas, porém não implantadas nas suas cidades.

A população (tenho certeza), não quer nada disso que está aí, mas também não queria o estava lá com o governo anterior. Parece até que os políticos perderam todas as referências. Parece um bando de loucos! Todos os partidos, todos os políticos precisam recuperar a credibilidade diante da população, mas está difícil. Eles não estão nem aí. Foram eleitos com um discurso e adotaram uma política econômica distante do discurso. Muitos brasileiros se sentiram enganados. E foram! Matutando, me pergunto: será que o novo presidente está agindo nos mesmos moldes da presidente anterior? A falta de atendimento médico nos postos de saúde. A falta de professores nas salas de aula. A insegurança profunda em todas as cidades e até no campo. Principalmente, médicos, professores, policiais recebendo uma miserabilidade. OBS: lembro-me quando o General João Figueiredo era presidente do país, disse: “Se eu recebesse um salário mínimo dava um tiro no ouvido”. E os barões, principalmente (os que “trabalham”) em Brasília, com dinheiro nos bancos daqui e nos paraísos fiscais. Também viajando para o exterior. Gastança geral, incluindo festas em requintados restaurantes europeus, pedras preciosas nos dedos das esposas, carrões de luxo. Tudo que era ou que foi dos brasileiros. É assim que o brasileiro fica: sem nada! Chupando o dedo! Os outros, não! Ficam com tudo! Nos bolsos, em casa dentro de malas, nos bancos ou, para ludibriar mais ainda, em forma de quadros de pintores famosos. Notem que, enquanto o cidadão brasileiro apodrece na fila do INSS ou SUS, os políticos brasileiros (repito, com raras exceções) se consultam no Sírio-Libanês, no Albert Einstein, no Copa D’Or… Somos nós que pagamos tudo para que eles tenham este atendimento diferenciado. Outro fato: Alguém já ouviu falar em greve de funcionários da câmara de vereadores, de deputados, de senadores ou dos próprios?! Claro que não! Por quê? Porque eles não têm do que reclamar. Enquanto outros funcionários públicos, a exemplo da Polícia Militar, recebem uma miséria de honorário, para cuidar da segurança do cidadão brasileiro. Sabemos perfeitamente que as policias não podem parar de trabalhar; é um ato ilegal, inconstitucional e grave irresponsabilidade, mas pergunto: Quem trabalha, principalmente, em prol da segurança do cidadão, pode ficar sem receber seus honorários? Pode receber um salário miserável? Claro que não! Concluindo: a IRRESPONSABILIDADE, a ILEGALIDADE, a INCONSTITUCIONALIDADE vem de quem tem a obrigação de pagar os honorários desses mesmos policiais. Tem mais: a vida de um cidadão de São Paulo ou de Nova York tem o mesmo valor da vida de um cidadão paraibano ou de qualquer lugar do mundo. Então, que se pague bem a todos os policiais, porque eles estão zelando por uma mesma vida, onde os valores são iguais. Só muda o lugar! Mas os políticos são assim mesmo.

Alguém já disse que “quando os políticos de Brasília entram de férias, tudo transcorre melhor”. Não acredito, porque eles estão lá para resolverem os problemas da sociedade, mas, pela revolta da sociedade, parece que não é isto que está ocorrendo.

Outro problema

Notem bem: inicia-se uma obra, mas ela nunca é concluída. E nessa pisada, são muitas obras. Dizem que são mais de 1.400 obras inacabadas em todo o Brasil, mas acredito que este número está bastante defasado. Por onde passamos, encontramos uma obra pública inacabada. Repito: por onde passamos. Portanto, não precisa andar muito, não. Sempre a mesma prática: emprega-se uma minúscula parte da verba destinada à determinada obra, e para por aí mesmo. Para os corruptos e para os corruptores o importante não é concluir a obra, mas inicia-la. Impressionante! Depois, a empreiteira contratada deixa de receber verba, interrompe suas atividades no local e, finalmente, abandona o que iniciou. Obras privadas, não! São sempre concluídas! Prestem bem a atenção neste detalhe. Acontece isso muito nos hospitais públicos. Compra-se um aparelho caríssimo, e ele fica encaixotado, porque o importante é “comprar”, e não que ele “funcione”. Ninguém sabe quanto o aparelho custou aos cofres públicos.

Caminhemos pra frente

O Congresso Brasileiro teima em insultar o povo, dando continuidade a práticas políticas improdutivas. Acham pouco! Volto a dizer: Não são todos os senadores e deputados. Existem alguns que respeitam a opinião pública, como já escrevi antes. Um dos vários exemplos: o Senado Federal e a Câmara dos Deputados se uniram para deformar um projeto anticorrupção confeccionado por procuradores da Lava-Jato, com o apoio e assinatura de 2 milhões e quinhentas mil de pessoas. Agindo dessa forma, deixa transparecer que eles estão pouco se lixando para quem os colocou no poder para resolver problemas do cidadão e zelar por eles. Com esta intervenção inadequada, eles mandaram a opinião pública, no mínimo, para o quinto dos infernos. A vontade popular foi pisoteada por senadores e deputados, como se eles merecessem ficar acima do bem, da verdade e da lei. O problema é que entre eles não existem verdades. Só mentiras e traições. E o povo? O povo?! Ah! Em 2018 conversaremos com ele. Teriam dito eles do alto da sua arrogância e prepotência?! Vamos ver se alguns deles se posicionam a favor do cidadão brasileiro. Há bem pouco tempo, li numa placa: O ladrão comum nos rouba dinheiro, carro, celular, relógio. O político nos rouba a felicidade, a saúde, a educação, a segurança, o transporte, o emprego. Somos escolhidos pelo Primeiro Ladrão, mas somos nós que escolhemos o Segundo. Agora, transporto para este texto um pequeno texto que li numa revista de circulação semanal (15 de fevereiro de 2017): Agora é pra valer – os movimentos para sabotar a operação anticorrupção estão no governo, no Congresso, no Supremo e até na PF. Ontem, mesmo (15/02/17), a PF do estado de Pernambuco está à procura de R$ 100 milhões de reais que “sumiram” de prefeituras situadas no Agreste Pernambucano. Houve até incêndio no subsolo de um Departamento da PF! Quem estaria por trás desse absurdo? Os sinais emitidos desde a capital do Brasil não deixam dúvidas: se o povo brasileiro não ficar vigilante a PF, os procuradores e a Operação Lava-Jato pode perder a batalha para os corruptos, porque, segundo uma revista de circulação semanal, o Bote Já Está Armado.

Outra pior

A Comissão que vai sabatinar (já sabatinou) o ex-ministro Alexandre de Moraes é composta por 9 (nove) investigados pela Lava-Jato e presidida pelo investigado Edison Lobão. Como dizem por aí: É mole ou quer mais? Em resumo, o quê isto quer dizer? Quer dizer que, se o ex-ministro Alexandre de Moraes for aprovado pelos senadores investigados pela Lava-Jato, no Supremo os peemedebistas envolvidos serão julgados pelo ex-ministro Alexandre de Morais. Deu pra entender a jogada?! A cúpula do PMDB também é investigada por tentar obstruir a Justiça, entretanto, o juiz Edson Fachin abriu inquérito contra os “marechais” Renan, Sarney e Jucá. O trio, segundo o delator Sérgio Machado, fez todo tipo de estripulia para “estancar a sangria” (expressão atribuída a Jucá) do petrolão. Um senador mais consciente dos seus deveres para com a Nação Brasileira disse: eles estão partindo para o vale-tudo; o que está sendo disputado já não é mais o prestígio nem o poder. É a liberdade deles. O nome do ex-ministro Alexandre de Morais vai ser aprovado com folga. O relator da indicação do ex-ministro Alexandre de Moraes é outro investigado: o senador Eduardo Braga.

Mas, voltemos ao que estávamos falando

ActCom

Ninguém, até agora, se interessou em criar um Conselho da Transparência ou Conselho de Controle Social, seja municipal, estadual ou federal. Se alguém criou, não funciona. Se criados com seriedade, estes conselhos serviriam, pelo menos, para medir o grau de corrupção que campeia livre, leve e solta em todos os setores da administração pública. Serviriam para normatizar a atuação dos funcionários públicos em todos os poderes. Deveriam criar barreiras mais rígidas, para que o número de malfeitores pudesse, pelo menos, diminuir. Cortar gastos desnecessários. O Brasil, para eles, ainda é uma nação rica. Rica! Riquíssima de pessoas que fazem o mal. Eles agem como se estivessem na França. A Justiça (eles dizem que é intervir em outro poder) deveria impedir as incontáveis mordomias, como carros oficiais desse pessoal, e ficar somente com os carros oficiais de serviço. De quantos carros oficiais dispõe uma câmara de vereadores, uma prefeitura, um governo estadual, uma câmara legislativa, uma câmara federal, um senado, um governo federal?! Se, pelo menos, reduzissem o número dos ditos carros ditos oficiais quanto economizariam?! Existem funcionários públicos, cujos honorários, beiram a mordomia. A Câmara de Vereadores de São Paulo é um desastre em relação ao que ganha o restante dos cidadãos brasileiros! Vejam os números: Salário de um encanador da Câmara de Vereadores de São Paulo: R$ 11.000,00. Operador de Copiadora: R$ 9.800,00. Chaveiro: R$ 10.900,00. Lavador de Carros: 11.295,00. Copeiro: entre R$ 9.000,00 e R$ 13.000,00. Engraxate: R$ 10.400,00. Ascensorista: R$ 11.000,00. Manobrista: R$ 15.000,00. Chefe dos Garagistas: R$ 23.500,00. Vereador: R$ 15.000,00. 140 servidores (da Câmara de Vereadores de SP) ganham mais que o prefeito, que recebe R$ 24.000,00. Agora vem o disparate: Professor municipal: R$ 3.550,00. Quanto ganha um médico? Um policial? Ou seja, profissionais que estão no ápice das necessidades da população, são tratados com indiferença. Celulares pagos pelo poder público! Quantos? E sem limite de crédito! Mas, o que é que eles priorizam: auxiliam no combustível, na compra de um paletó, na moradia, na aposentadoria milionária e desnecessária, planos de saúde sem valor limitado, funcionários incontáveis e sem função definida! Quem quer quebrar um país, faz desse jeito! Recentemente, mandaram-me uma mensagem: A Previdência não está quebrada: quebraram a Previdência! Não foi a expectativa de vida do brasileiro que subiu e diminuiu o número de contribuintes do INSS. Não! Estão apurando quem surrupiou o dinheiro da Previdência. Edna Lopes (não a conheço), da COBAP (Confederação Brasileira dos Aposentados e Pensionistas) e o senador Paulo Paim abriram a CPI da Previdência. O INSS será investigado! Existem denúncias de desvio de verbas, fraudes, sonegações e outras irregularidades no INSS. A ideia partiu do presidente da COBAP, Warley Martins: “na Previdência não tem roubo, tem rombo”, disse ele.

Todas as obras patrocinadas pelo poder público merecem ser fiscalizadas, com são nos EUA. Não é somente faze-las. É fazê-las e fiscaliza-las. Teriam estes senhores a coragem de divulgar na Internet cada custo de uma obra pública?! Se a fiscalizam?! Muitas empreiteiras constroem cada porcaria que dá até medo só em olhar. Existem muitos exemplos!

Escândalos maiores são os custos da produção e da propaganda, cujos superfaturamentos são uma prática frequente. Tudo deveria passar e ser regulados pelo Conselho de Transparência (se existisse). Quem deveria ganhar algum dividendo ou mesmo um prêmio, seriam pessoas (não seria preciso se identificar), no sentido de incentivá-las a denunciar práticas de corrupção no setor público. O principal (ou em resumo) é fechar as comportas da propina, da corrupção, da malandragem, da safadeza. Quando surge alguém, querendo ver as coisas andarem honestamente, eles procuram desmoraliza-la, desacreditá-la, ridicularizá-la.

Juízes como Sérgio Moro surgem de 100 em 100 anos! Se surgissem com mais frequência, melhor, mas temos, também, que criar mais judiciários e presídios, para não entupirmos o Poder Judiciário com ações nem os Presídios com corruptos. Os homens públicos também têm muito interesse que surjam muitos juízes ao estilo Sério Moro, porque ficaria mais difícil ludibriar a Justiça. Em medicina, costumamos dizer que “é melhor prevenir do que remediar”. Portanto, tem-se que, não combater, mas prevenir a corrupção. Mas o atoleiro já está pronto! Será que somos parte desse lamaçal?!

Efetuar Licitações sem cartas marcadas. Por falar nisso, passei, há alguns anos, por maus momentos “licitatórios” quando colocaram um anexo do hospital (que lidava com imagem), para licitação. Quem estava lá para presidir o processo de licitação?! Bom, deixa pra lá.

Temos que colocar pessoas sérias na política, em todos os níveis. Do primeiro ao último degrau! O Brasil está precisando disso. Urgentemente. Para ontem!

O Projeto baseado nas Dez Medidas de Combate à corrupção, confeccionada pelos Procuradores de Justiça, pode ser repassado para os mais de 5 mil municípios brasileiros. Regulando as leis e combatendo a corrupção, penalizando o caixa dois e o enriquecimento do dia para a noite, sem que o “sortudo” tenha acertado a loteria ou herdado. Quem gera o caixa dois? Adotar medidas de Comparação de Preços! Existem dois principais procedimentos que geram Corrupção: 1º) Ausência de Transparência. 2º) Ausência de Preços Pagos nas Prefeituras sem comparação com preços pagos na iniciativa privada. Repetindo, para que todos fiquem sabendo: a corrupção começa em todos os contratos onde se gasta dinheiro público.

Algumas pessoas podem não gostar do que vou escrever agora: uma obra pública (parte de uma rodovia) foi orçada em vários milhões de reais. Quem estava à frente da obra? O Setor de Engenharia do Exército Brasileiro! O Setor de Engenharia do Exército, ao concluir a obra, devolveu quase metade do valor liberado, porque sobrou dinheiro após a sua conclusão! A isso, dá-se o nome de honestidade. É o que falta em certos setores da política brasileira.

Tudo que tem transparência intimida mais o realizador dos negócios com o dinheiro público.

Todos nós! Vamos pensar nisso!

Para finalizar, é óbvio que este não é o governo dos nossos sonhos dos brasileiros. Nós não merecemos isso. Passamos por um impeachment traumático, mas já é hora de seguirmos em frente, porque se nada for feito, teremos a ascensão do populismo em 2018.

Deus que me perdoe! Vade Retro!

Cadmo Wanderley

Print Friendly, PDF & Email
Deixe seu comentário!