Início Chelyabinsk 2013 e o maior evento de impacto da atualidade

Chelyabinsk 2013 e o maior evento de impacto da atualidade

Era uma sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013. Uma manhã fria de um típico inverno russo na cidade de Chelyabinsk. Eram 09:20, mas o Sol, preguiçoso ainda corria sob o horizonte, instantes antes de nascer, quando os moradores daquela cidade presenciaram um evento raro, fascinante e ao mesmo tempo assustador: uma gigantesca bola de fogo cruzou o céu e explodiu sobre a cidade. As pessoas olhavam assustadas para aquele imenso rastro de fumaça no céu tentando entender o que era. Eles haviam presenciado o Meteoro de Chelyabinsk, o maior que se tem notícia dos últimos 100 anos. E mal sabiam eles que o pior ainda estava por vir…

[ Trilha de fumaça deixada pelo Meteoro de Chelyabinsk – Créditos: M. Ahmetvaleev ]

A Terra é constantemente bombardeada por pequenos fragmentos de rocha que vagam pelo sistema solar e que eventualmente se chocam com nossa atmosfera. Estima-se que diariamente cerca de 100 toneladas dessas pedrinhas espaciais penetram a atmosfera terrestre e se desintegram antes de chegar ao chão. Quando isso ocorre, fragmentos do tamanho de uma ervilha produzem luz suficiente para serem visíveis a olho nu durante a noite. Normalmente quando vemos um desses, chamamos de estrela cadente e fazemos um pedido. Mas as vezes, a Terra é atingida por objetos maiores.

Um pedaço de rocha com cerca de 1 metro de diâmetro, ao penetrar a atmosfera, provoca um evento muito mais energético. A atmosfera não consegue desintegrar completamente o objeto e, ao encontrar as camadas mais densas, a resistência do ar é tão alta que ele explode, gerando uma onda de choque e lançando sobre o solo, fragmentos de rocha que conhecemos como “meteoritos”.

Já os meteoros do tamanho do que caiu em Chelyabinsk são raríssimos. Estima-se que um evento como esse ocorra, em média, uma vez a cada 100 anos. Tratava-se de um pequeno asteroide com cerca de 17 metros de diâmetro e umas 10 mil toneladas de massa, que penetrou a atmosfera a uma velocidade de 60.000Km/h. É como se uma grande pedra do tamanho de um prédio de 5 andares fosse jogada contra a terra numa velocidade 500 vezes maior do que a do seu carro na estrada.

Ao explodir sobre Chelyabinsk, esse meteoro liberou uma energia de 440 mil toneladas de dinamite, algo 21 vezes mais energético do que a bomba atômica que devastou a cidade de Hiroshima no final da Segunda Guerra Mundial. Felizmente, essa energia foi liberada a mais de 20 Km de altitude, o que permitiu que ela fosse dispersada em uma grande área. Mas ainda assim, causou um estrago imenso.

Logo após a passagem do meteoro, muitas pessoas estavam nas ruas perguntando o que teria sido aquilo. Mas além do fenômeno luminoso, aquela energia liberada a 20 Km de altitude, provoca uma onda de choque. Essa onda, viaja na velocidade do som, a cerca de 340 metros por segundo. Então, após pouco mais de um minuto, essa onda de choque atingiu o solo na cidade de Chelyabinsk. Foi um barulho ensurdecedor, ouvido a centenas de Km de distância. Pessoas foram lançadas ao chão, alarmes prediais e de carros foram disparados por toda a parte. Mais de 7.200 prédios foram danificados, vidraças destruídas, e cerca de 1.500 pessoas feridas pelos efeitos provocados pela onda de choque foram atendidas nos hospitais da cidade.

Um evento para não se esquecer. Foi estranho acordar naquela manhã e ver as dezenas de vídeos e notícias dando conta do que ocorrera naquela parte do planeta. Para muita gente, aquele evento foi como um divisor de águas. Perguntávamos como pode um objeto desse tamanho não ser notado antes de se chocar com a Terra. Percebemos que não conhecemos tanto sobre esses objetos tão ameaçadores para o nosso planeta. Chelyabinsk serviu para nos alertar que nós não estamos totalmente seguros dos perigos que vem do espaço, e que precisamos estudar mais sobre os asteroides, especialmente aqueles que são potencialmente perigosos para a Terra.

O Evento de Chelyabinsk foi tão marcante, que a celebração dos seus 5 anos foi escolhida para o início da edição de 2018 de uma das mais importantes campanhas de conscientização global da atualidade: o Asteroid Day. O Asteroid Day é um movimento internacional que ocorre anualmente no dia 30 de junho e tem como finalidade conscientizar as pessoas sobre a importância de se conhecer mais sobre os asteroides e sobre seus reais riscos para a Terra. Este movimento não foi criado para ser alarmista nem apocalíptico, até porque eventos como o de Chelyabinsk são raríssimos, mas precisamos estar preparados para quando um impacto como esse voltar a ocorrer. E entao, vamos falar mais sobre asteroides?

 Compilação de alguns vídeos mostrando a passagem do meteoro e os efeitos da onda de choque: 

Marcelo Zurita – (83) 99926-1152

APA – Associação Paraibana de Astronomia
BRAMON – Rede Brasileira de Observação de Meteoros
Asteroid Day Brasil – Coordenação Regional Nordeste

Print Friendly, PDF & Email
Deixe seu comentário!