Observação Pública no Casarão do Jabre em 2016.
Compartilhe!

O último Encontro Paraibano de Astrofotografia (EPA!), foi muito proveitoso para os astrônomos e astrofotógrafos que se deslocaram até Maturéia para registrar os céus do Sertão Paraibano. Mas, ao meu ver, muito melhor que as astrofotografias produzidas, são as estrelas que estamos vendo nascer nesta pequena cidade aos pés do Pico do Jabre.

As estrelas a que me refiro, não são aquelas formadas por uma imensa massa de gás incandescente, que brilham a centenas de anos-luz daqui. São estrelas bem menores, que mal iniciaram sua vida, mal começaram a brilhar, mas já são capazes de aquecer nosso coração e nossa esperança de um mundo melhor.

Durante seu processo de formação, a estrela é apenas uma imensa bola de gás concentrado pela gravidade. Mas em algum momento, a energia vinda de outra estrela distante, aquece e serve de ignição para que essa nova estrela inicie o processo de fusão nuclear em seu núcleo, o que a manterá aquecida por bilhões de anos.

Assim também ocorre com nossas crianças, que, por natureza, nascem com enorme sede de conhecimento, tem todo gás que precisam para brilhar. As vezes, falta apenas a ignição para despertar nelas a chama da ciência, a vontade de estudar e de seguir descobrindo cada vez mais do mundo e do universo.

Desde o Primeiro EPA!, em 2013, já havia uma preocupação com a propagação da Ciência entre os mais jovens. E conforme o evento foi evoluindo, o trabalho junto à população local, principalmente com os jovens e crianças, foi ganhando importância. Hoje, talvez seja esse o principal legado desse encontro anual para a cidade de Maturéia.
Observação Pública no Casarão do Jabre em 2016.
Este ano, além da tradicional observação pública na praça, tivemos atividades nas escolas e também, o primeiro curso de Astronomia na cidade, o Curso Constelações de Primavera, oferecido pelo Professor Marcos Jerônimo. E a cada ano que passa, notamos um interesse cada vez maior pela Astronomia, principalmente entre as crianças. Sabemos que isso não significa que teremos muitos astrônomos no futuro, mas esse interesse significa que teremos cidadãos mais conscientes da importância da ciência para a sociedade mais desenvolvida e justa que queremos ter no futuro.

Um dos fatos mais marcantes desse ano, foi a participação de uma jovem chamada Nívea, que não só participou da programação principal, mas nos ajudou em nossas atividades na escolas e na observação pública na praça. Nívea é da cidade de Maturéia e, com 13 anos de idade, ela foi levada por seu professor para conhecer o Encontro Paraibano de Astrofotografia. Foi a primeira vez que ela observou através de um telescópio e se apaixonou. Se aprofundou nos estudos e começou a acompanhar o trabalho da Associação Paraibana de Astronomia, tentando ao máximo, promover atividades relacionadas à Astronomia em sua escola. Este ano ela concluiu, pela internet, um curso de extensão em Astrofísica oferecido pela Universidade Federal de Santa Catarina. Nívea, podemos dizer, é uma estrela que já está brilhando, ainda tem um futuro brilhante pela frente, e quem sabe, ajudará a acender muitas outras estrelas por aí.
Nívea, à esquerda, ajudando nas atividades na Escola Moacir Dantas.
Professor Marcos Jerônimo e Nívea, no Casarão do Jabre.

Há dois anos, após o 5° EPA!, escrevi que “plantávamos estrelas no Sertão da Paraíba”. A sensação que tenho é que agora, começamos a colher!

Para ver mais fotos e saber mais sobre como foi o VII Encontro Paraibano de Astrofotografia: http://apapb.org/2019/10/01/vii-epa-leva-astronomia-e-traz-astrofotografias-do-sertao-da-paraiba/

Atenciosamente,

Marcelo Zurita – (83) 99926-1152
APA – Associação Paraibana de Astronomia
BRAMON – Rede Brasileira de Observação de Meteoros
SAB – Sociedade Astronômica Brasileira
Deixe seu comentário